quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Aguenta coração.

A criança pede empadão para o jantar do dia seguinte. Que gosta tanto, que lhe apetecia tanto, ui, mas tanto. A mãe, ainda que consciente do imbróglio que ia ser por falta de tempo, diz-lhe que sim, sim senhora, lá se haveria de arranjar maneira, pois se à criança lhe apetecia tanto. A mãe sai de casa no dia seguinte tendo-se esquecido de tirar carne picada do congelador... Rais parta... Agora então é que vai ser uma correria... Ao fim da tarde a mãe liga o turbo e já com a outra criança a tiracolo passa no talho. Chega a casa. Bom, quase. Volta atrás a buscar cebolas. Chega a casa. A criança mais nova diz que "qué axudá". Sendo a experiência la madre de todas as cousas, a mãe ouve a criança mais nova dizer que quer empatar. E a mãe diz que sim, evidentemente. Que apreciava muito a ajuda. A sonsa.  A criança mais nova sobe então para um banco para ver o que se passa na banca.... Cuidado, para não caires!!... A mãe parte uma cebola em quatro e atira com ela para dentro da Bimby. A mãe revolve a despensa e por entre 720 latas de atum, 530 de grão de bico e 547 de feijão vermelho encontra 1, uma!, lata de tomate. A única, mas exatamente o que precisava... Ufa!!... A mãe vai para abrir a lata do tomate, mas parte a patilha ou lá como raio se chama aquilo. A mãe não encontra o abre latas. Ai afinal encontra. O estupor do abre latas que não funciona nada de jeito... Precisamos de um abre latas novo... A mãe faz força. A mãe só consegue abrir um bocadinho da lata. O abre latas mói a lata.  [Buáááá....] Oh filho.... Tira a cara de dentro da Bimby. Pois choras, claro que choras. É da cebola. [Buáááá....] Pois doem os olhos... [Buáááá....] Vamos lá lavar a carinha..  Pronto, vá não chores mais... [Buáááá....] A mãe pega numa faca e tenta abrir o estupor da lata do tomate. Macacos a mordessem se o jantar não ia ser empadão. A mãe corta-se na p#ta da lata. Oh mãe... Oh mãe.... Tu... Tu tens xangue???!!! Ixo é xangue??? [Buáááá....] A mãe estanca o sangue como pode e acalma a criança. A mãe  respira fundo e consegue abrir a lata.  

A mãe isto, tic, a mãe aquilo, tac, o filho mais novo não sei quê, tic, e o mais velho não sei que mais, tac, e depois...

Oh well, depois a mãe tinha um belo empadão na mesa às oito em ponto.... Oh yeah!! Suuuuper Mom!!! [A mãe controla-se para não começar aos beijinhos a si própria.]

(...)

[Jr.] Mãé?!!... Posso não comer mais?

[NM] Hã?! Mas tu não comeste quase nada... Não estavas cheio de vontade de empadão?

[Jr.] Estava... Mas era do bom.

(...)

Eu. Mereço.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

O estranho caso do homem que bordava o nome completo no interior do casaco














Para continuar a saga NM nomeia... flor!

domingo, 10 de setembro de 2017

E desde aquele dia ele nunca mais dispensou a bússola..

Decorria o ano 2000, 2000 e pico, e um jovem propôs à sua adorada que fizessem uma viagem de automóvel: do Porto a Sintra, sempre por estradas nacionais, sempre nas calmas, sempre a aproveitar o caminho.

A jovem aceitou, desconhecendo no entanto, que nas premissas de tal viagem estava também:

(a.) a orientação pelo Sol durante o dia, e

(b.) a orientação pela Estrela Polar durante a noite.

Ainda hoje permanece por esclarecer como é que entre uma coisa e outra, ali no lusco-fusco, um casal de namorados não deixou de o ser.

sábado, 9 de setembro de 2017

Dos estereótipos.

O meu marido, homem que é, nunca pergunta direcções. Nunca.
Este verão, chegados a Tavira depois de seis horas de viagem, 40°C, já com os ouvidos em sangue de tanto Despacito, o GPS... Pifou! Pois claro. Evidentemente.

Eu, a antever-me às voltas durante três quartos de hora à procura do nosso aldeamento, pergunto já em taquicardia:

E agora?!... Perguntamos a alguém, certo? 

Ao que marido responde:

Ah não... Não vale a pena... Ontem estive a ver no mapa e aquilo fica para Este.

E enquanto eu pensava Hã???!!!, ele encosta, vai ao porta luvas e saca de uma... Bússola!!!





E é isto a minha vida.

Uma bússola.
Uma bússola que mora no porta luvas do carro de excelso junto a uma... Pederneira!! Sim, se o meu marido precisar de fazer fogo de repente... Sem problema, vai ao porta luvas e, zau!, saca da sua pederneira....
Para o caso de se perder no mato ou assim. À noite. No inverno. De carro. E no caso do isqueiro do dito se avariar.

Surpreendentemente a tal da pederneira deve ter aí uns cinco anos e nunca foi usada. Olhai que ele há coisas...

(...)

E se isto não é coisa de homem então não percebo mesmo nada de nada.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Eu não queria meter mais lenha na fogueira mas a gravidade da situação assim o exige.

As lojas online de roupa para criança têm secção de menino e de menina.

Até aos 8 ou 9 anos nada no corpo das crianças justifica essa distinção.
Tirando eventualmente nas cuecas, vá.

E agora?! O que é que fazemos para consertar esta situação, hum?! Invadimos as lojas físicas e revolvemos aquilo tudo, ou fazemos o quê?

Para agravar a situação algumas descrevem os tamanhos por idades. O que é discriminatório para as crianças altas, baixas, gordas e magras. Já para não falar nos anões.

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

É só, pronto, um "suponhamos"...

Suponhamos que, finda a licença de parentalidade, uma dessas pessoas que violentamente se insurge contra toda e qualquer associação de género (a cartilha manda dizer "estereótipo", não vá a negatividade não ser evidente) precisa de um(a) baby-sitter (M/F, obviamente) para cuidar de um(a) filho(a) bebé, de cinco meses, durante as, sei lá, oito horas em que precisa de estar ausente de casa por motivos profissionais.

A pessoa põe o anúncio, seleciona e entrevista candidatos. Chegada ao fim do processo a pessoa tem dois candidatos nas mesmíssimas condições (recordo que este é um exercício meramente teórico): mesma experiência, mesma empatia, enfim, mesmo tudo. Dois candidatos em exacto pé de igualdade.

Só que um calha de ser homem e outro de ser mulher.

Fazendo juz ao que apaixonadamente versa e defende a tal pessoa resolve a situação e escolhe a pessoa que lhe vai tratar do(a) filho(a) atirando uma moeda ao ar, verdade?

Adenda:

Reformule-se a questão, que diz que está difícil de perceber o meu ponto.

Filipe,

Estão nas mesmas condições de contratação... Bolas, está difícil de perceber um exercício TEÓRICO.
Reformulando... Imagine que só há duas pessoas no mundo disponíveis. Pronto. E que não sabe nada delas. Uma é homem, outra é mulher. E tem mesmo de deixar o seu filho a uma delas. Qual escolheria? Pronto, é isto!...

Hoje começa o meu Ano Novo.

E isto
sou eu
a blogo-entrar
com o
pé direito.