sábado, 19 de agosto de 2017

Dos javalis e da inconsciência.

Javalis supreendem banhistas em praia da Arrábida

As pessoas estão na praia. As pessoas vêem três animais selvagens, cada um com 90 kg e caninos de 10 cm, descer do monte para se abeirar da água.

As pessoas afastam-se silenciosa e calmamente pondo essencialmente a salvo as suas crianças? 

Não. 

As pessoas pegam nas suas crianças e levam-nas a ver os bichinhos de perto.

E depois uma criança fala mais alto, um pau parte ou um adulto levanta os braços. Um animal assuta-se. Os restantes idem aspas.

E depois era o fim do mundo em cuecas, como um qualquer vídeo nos haveria de mostrar 15 minutos após a tragédia.

Iniciar-se-ia imediatamente uma caça aos responsáveis. Cabeças haveriam de ter de rolar.

Assim, como nada aconteceu, tudo não passou de um pitoresco fait diver de verão.

E é isto.

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Triste é aquele momento...

Em que passeias descontraidamente com a tua família e recebendo uma mensagem de uma amiga a dizer, apenas e só, que estava nas Ramblas, mas que estava bem, fazes por saber não o que aconteceu (porque isso adivinhaste-o imediatamente), mas quantos mortos houve.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Por acaso estava a ser injusta...

Existe uma foto de nós a caminho da praia em que eu apareço.
De esguelha e tal, mas apareço.
Eu estive lá. Está documentado.



Moral da história.

A culpa foi da árvore e como esta morreu a justiça está, essencialmente, feita.

Estava para aqui entretida a ver as fotografias das férias...

E só me vem à ideia os meus filhos daqui a uns anos:

"E a mãe, onde estava?"